Em pesquisa realizada pelo Varela Notícias, sobre a chegada do aplicativo Uber à capital baiana, mostrou que ao que tudo indica, parte dos taxistas estão se “adaptando” à competição da nova alternativa de transporte. Já outros, se mostram ainda muito insatisfeitos e consideram a disputa ‘injusta e desleal’. A mudança com relação à procura das corridas baseadas no taxímetro (constatada por grande parte dos entrevistados), foi atribuída por alguns, à crise que o Brasil enfrenta. Já outros acreditam que o Uber tem tido a preferência dos clientes, por muitos motivos, entre eles, o maior conforto.

Para o taxista Eraldo (58), a busca dos passageiros não mudou muito, desde o dia 07/04, quando o Uber chegou à capital baiana. “Nem todo mundo têm ou pode usar celular na rua, por causa de esclarecimento e assalto, o que ocorre constantemente”. Questionado sobre se a competição tem criado insatisfação para o profissional, Eraldo afirmou: “Tem me chateado. Porque eu pago imposto e eles [motoristas do Uber], não pagam nada. Além de não existir treinamento, ou formação para oferecer o serviço”.

Taxi

Indagado sobre se o preço do serviço (que é indiscutivelmente menor que o cobrado pelo taxímetro) oferecido pela nova modalidade pode vim a influenciar numa futura perda de clientes, o motorista soltou o verbo: “Todo serviço quando ta entrando, o pessoal coloca um preço baixo pra pegar a clientela. Já já aumenta. Depois não terá como se manter esse preço, com o preço que a gasolina está”, criticou.

Para o taxista Jailson (43) , o que tem incomodado é a questão do serviço não ser regularizado pela prefeitura. “Se no caso o serviço seja regularizado, não vejo problema nenhum com a concorrência. O que precisa ser feito agora é melhorar o serviço oferecido por nós [taxistas], uma vez que o que o pessoal tem dito é que os motoristas [do aplicativo], são mais equipados, que os carros são mais confortáveis…” Com relação à procura do serviço, o motorista afirmou não ter sentido diferença.

Já o taxista Francisco Santana (55) “Eu realmente senti muita diferença na procura dos passageiros, desde que o Uber chegou, e não acho que esteja relacionado à crise. Eu trabalho em bairros nobres, por mais que exista crise, essa camada sempre faz uso de táxi”.

“Inclusive, peguei uma corrida na Boca do Rio pelo aplicativo (99 Táxi), quando entrei na rua, a corrida foi cancelada. Ai aguardei para ver o que acontecia. Em menos de cinco minutos, apareceu um carro do Uber, e duas moças entraram. Um outro caso interessante aconteceu, justamente quando o aplicativo chegou, foi que eu peguei uma corrida em Mussurunga às 16h, e depois, rodando pela cidade, só consegui outra, às 22h”.

Questionado sobre se tal adesão da população ao Uber pode vim a atrapalhar sua carreira como taxista, o motorista respondeu “Não podemos brigar contra à tecnologia. Podemos melhorar a qualidade, para então gerar a competição”.

O que a população de Salvador têm achado do Uber?

467522438

Para o supervisor de loja, Manasses Muniz (32), a experiência com Uber foi satisfatória. “A corrida foi muito agradável. O motorista super educado, gentil e receptivo. O carro confortável e limpo. Tudo muito bem preparado para prestação de serviço, o que acho carente na cidade. O Uber sai na frente de lavada em relação ao sistema convencional de taxi. Sempre utilizei com muita frequência o serviço de táxi e já me deparei com situações muito desagradáveis, desde a situação precária do veículo como também, e principalmente, a falta de cortesia e gentileza dos taxistas. Em sua maioria eles sempre tentam tirar proveito para que a corrida seja mais longa e torne rentável para eles”.

“Sem contar o preço. Moro na barra e sempre que saio à noite para o Rio vermelho utilizava o taxi que custava em média 20,00 a 25,00. Com o Uber pago 16,00 e tenho uma corrida agradável e sem transtornos”, completou.

Para o design Victor Gonzalez (19), o Uber é um bom meio alternativo de transporte, e tem várias vantagens, que começam desde a otimização do aplicativo. “Já começa pelo aplicativo, todo moderno, fácil de manusear… Chega muito rápido, além de ter a questão de você poder escolher qual tipo de carro você quer, se transportar.”

“Outras coisas muito positivas, são a organização da rede, higiene, educação, aceitar cartão de crédito. Tanto você quanto o motorista se avaliam mutuamente o que também é muito legal”.

Judicialmente o Uber é legal?

Para a advogada Maiana Patrício (26), a prática oferecida pelo aplicativo é de de fato legal, uma vez que a constituição diz que se não há lei que proíba explicitamente uma atividade, esta não pode ser penalizada. “A constituição defende a livre expressão, principalmente quando a iniciativa é voltada ao trabalho, porque consequentemente cooperará para o desenvolvimento nacional”, afirmou.

No Art. 1º da Constituição em seu primeiro Enunciado elege os valores sociais de onde se extrai que “A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos: …IV – os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa”.

Já no Art. 3°, o legislador Constituinte afirma na eleição dos objetivos fundamentais que se deve:“construir uma sociedade livre, justa e solidária e garantir o desenvolvimento nacional”. Sendo assim a inovação tecnológica deve sempre que possível se relacionar à esses valores.

A maior queixa feita pelos motoristas de táxi, está relacionada à “disputa injusta”, uma vez que, segundo a classe, eles pagam impostos e os motoristas do Uber não. A advogada Maiana alerta “Todos os veículos adquiridos pelos prestadores de serviço do UBER, são tarifados com IPI e ICMS, imediatamente na aquisição dos seus veículos, o que representa mais de 30% do valor básico. Diante deste fato, não é correto afirmar que os motoristas não pagam impostos.

FONTE:varelanoticias