A Juventus ampliou sua fase dourada em cenário doméstico nesta segunda-feira, dia em que foi assegurada a conquista do pentacampeonato nacional. Absoluta na Terra da Bota, a Velha Senhora, que agora tem 32 títulos italianos, não pode se vangloriar apenas das taças, mas dos lucros também.

Quem investisse 1 milhão de euros (R$ 4 milhões, na conversão atual) em 1º de junho de 2012, quando começou a série de títulos em sequência, no clube de Turim, teria hoje 1,48 milhão de euros (R$ 5,93 milhões), um crescimento significativo de quase 50%, e muito acima da média do mercado.

O lucro só foi possível, porque a Juve aniquilou seus rivais no período, até mesmo na atual campanha, a qual começou mal e chegou a ficar 11 pontos atrás do líder na décima rodada. Depois, foram 24 vitórias e um empate em 25 jogos, e o título acabou definido nesta segunda-feira, com o a derrota do Napoli para a Roma por 1 a 0.

Tamanho domínio fez o valor de mercado do clube ir de 591 milhões de euros (R$ 2,369 bilhões) em 2012 para 837 milhões (R$ 3,355 bilhões) em 2015, de acordo com a Forbes. Já o valor da marca, que era estimado em 160 milhões (R$ 641,4 milhões) há quatro anos, passou a ser de 350 milhões (R$ 1,403 bilhão) no ano passado.

Segundo a empresa de consultoria Deloitte, a Juventus faturou 195,4 milhões de euros (R$ 783,3 milhões) em 2011/12, e era a 13º mais rica do mundo (atrás dos rivais Milan e Inter de Milão). Já em 14/15, a equipe de Turim conseguiu 324 milhões (R$ 1,298 bilhão), saltou para a décima posição e tornou-se o melhor italiano.

Um dos fatores para o lucro foi a inauguração do novo estádio da equipe, o Juventus Stadium, em setembro de 2011. Desde então, a casa impulsionou a ascensão dos alvinegros.

Na última temporada antes da inauguração da nova casa (2010/11), a Juve faturou 153 milhões de euros, segundo a Deloitte. Já na temporada 2013/14, com a arena “bombando”, o faturamento subiu para 279 milhões de euros. Um crescimento espantoso de 83%, que explica muito a retomada do status de potência da Juventus.

GETTY IMAGES

Andrea Agnelli é o presidente da Juve desde 2010
Andrea Agnelli é o presidente da Juve desde 2010

Outro elemento para o grande momento futebolístico e financeiro da Velha Senhora é os bons negócios que têm feito com jogadores. Leonardo Bonucci, por exemplo, chegou do Bari em 2010 com o valor de mercado de 8 milhões de euros, de acordo com o site especializado Transfermarkt. Hoje, custa 30 milhões. O clube pagou 15,5 milhões para tirá-lo do Bari.

Já Paul Pogba, que veio sem custos do Manchester United há quase quatro anos, é protagonista de uma das maiores contratações da história da Juve. O volante foi de reserva à protagonista na equipe italiana e viu seu valor ir de 3,5 milhões a 65 milhões.

Outro grande negócio tem Arturo Vidal como pivô. O volante chileno foi contratado em 2011 junto ao Bayer Leverkusen por 12,5 milhões de euros, participou de títulos importante, ajudou a equipe a chegar à final da última Uefa Champions League e acabou vendido ao Bayern de Munique no meio de 2015 por 37 milhões de euros.

Mais do que ganhar títulos e dominar o futebol italiano, a Juventus tem mostrado que sabe fazer dinheiro.

uol