Avaliar as ações referentes à educação escolar quilombola, realizadas neste ano, e estabelecer metas para 2017. Com esse propósito, membros do Fórum Permanente da Educação Escolar Quilombola, de diferentes Territórios de Identidade da Bahia estão reunidos, até esta sexta-feira (18), no Instituto Anísio Teixeira (IAT), em Salvador. A ação faz parte da agenda da Secretaria da Educação do Estado para o Novembro Negro.

A coordenadora da Educação para a Diversidade, da secretaria, Erica Capinan, destaca a importância do Fórum, “que é uma instância do movimento social da sociedade civil organizada composto por 29 membros dos territórios de identidade e tem o objetivo de monitorar e avaliar as políticas públicas da educação escolar quilombola, além de fiscalizar e difundir a implementação das Diretrizes Curriculares Estaduais para a Educação Escolar Quilombola”.

A quilombola e coordenadora Trritorial de Salvador e Região Metropolitana, Bernadete Moreira, que vive no Quilombo Pitanga dos Palmares, no município de Simões Filho, avalia o encontro como positivo. “Este é um momento importante de discussão e trocas de experiências entre os membros. Temos vários avanços, no entanto, é preciso investir mais nas políticas públicas, tendo como base a valorização da nossa ancestralidade e identidade cultural”.

O coordenador geral do fórum, José Ramos de Freitas, integrante do Quilombo Ilha do Porto do Campo, em Camamu, acredita que, por meio das ações do Fórum, é possível resgatar a identidade do segmento “com uma educação quilombola diferenciada como define a Lei 10.639/03, que insere nos currículos escolares os estudos da história africana e afro-brasileira”.

Videoconferência

A programação do Novembro Negro na Educação segue até o dia 30 deste mês. No dia 21, às 14h, acontece uma videoconferência sobre a Lei nº 10.639/03: Conquistas e Desafios, no IAT, com retransmissão para as telessalas dos Núcleos Regionais de Educação (NRE). Esta lei estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, tornando o estudo sobre a ‘História e Cultura Afro-Brasileira’ obrigatório no currículo oficial da rede de ensino. Nos dias 21 e 22, das 8 às 18h, acontece o V Encontro de Educação para a Diversidade: desafios e perspectivas inclusivas em Educação no Século XXI, no auditório da Secretaria da Educação, no Centro Administrativo da Bahia (CAB).

Nos dias 23 e 24, o Colégio Estadual Eraldo Tinoco, instalado na comunidade quilombola, no distrito de Santiago do Iguape, em Cachoeira, no Recôncavo, sedia o seminário Educação Escolar Quilombola, em Santiago do Iguapé (23), das 9 às 11h30, e o Projeto Consciência Negra, em Santiago do Iguapé (24). O Colégio Estadual Eraldo Tinoco é a primeira unidade da rede estadual a implantar as Diretrizes Curriculares da Educação Quilombola. Acesse outros detalhes da programação do Novembro Negro no Portal da Educação.

Fonte: Ascom/Secretaria da Educação do Estado