Manifestações recentes que defendem o adiamento ou a transferência dos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, por causa  do surto de infecções pelo vírus Zika no Brasil, não estão baseadas em dados científicos, de acordo com nota divulgada hoje (7) pelo Ministério das Relações Exteriores.

“Medidas que viessem a recomendar o cancelamento dos Jogos Olímpicos implicariam igualmente a recomendação de interrupção de viagens aéreas e de comércio para e entre todos os 60 países que apresentam transmissão local do vírus Zika”, avaliou a pasta.